Imagem IBGE

IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) se constitui no principal provedor de dados e informações do país, que atendem às necessidades dos mais diversos segmentos da sociedade civil, bem como dos órgãos das esferas governamentais federal, estadual e municipal.

Desde sua criação em 1936, o IBGE cumpre a sua missão: “Retratar o Brasil com informações necessárias ao conhecimento da sua realidade e ao exercício da cidadania”. O Instituto identifica e analisa o território, conta a população, mostra como a economia evolui por meio do trabalho e da produção das pessoas, revelando ainda como elas vivem.

A realização dessa missão institucional pressupõe todo um processo que parte das necessidades e demandas por informações existentes na sociedade e governos, passa pela concepção e planejamento das pesquisas, pela coleta de dados em campo, seu armazenamento, a sua análise e validação, até a disseminação dos seus resultados finais para os cidadãos.

ESTRUTURA

O IBGE é uma instituição da administração pública federal, subordinada ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, que possui quatro diretorias e dois outros órgãos centrais, todos sediados no Rio de Janeiro.

Para que suas atividades possam cobrir todo o território nacional, o IBGE possui a rede nacional de pesquisa e disseminação, composta por:

  • 27 Unidades Estaduais (26 capitais dos estados e 1 no Distrito Federal);
  • 27 Setores de Documentação e Disseminação de Informações;
  • 581 Agências de Coleta de dados nos principais municípios.

IBGE mantém, ainda, a Reserva Ecológica do Roncador, situada a 35 quilômetros ao sul de Brasília.

O provimento de informações pelo IBGE é realizado por meio da sua rede nacional de disseminação, com áreas de atendimento em todas as capitais e nas principais cidades, oferecendo um dos maiores acervos especializados em informações estatísticas e geográficas do país.

Os endereços das unidades estão disponíveis no site em “locais de atendimento”.

www.ibge.gov.br

Leitura rápida

O uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) pela população brasileira: Menos rádio, mais Internet, celular e televisão

O número de brasileiros que usa Internet ultrapassa a metade da população, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) realizada em 2013 com 362.555 pessoas em 1.100 municípios.

O sistema de pesquisas domiciliares, implantado progressivamente no Brasil a partir de 1967, com a criação da PNAD, tem como objetivo a produção de informações básicas para o estudo do desenvolvimento socioeconômico do País. Com o propósito de ampliar o conhecimento sobre a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação – TIC no país, a PNAD investigou, como tema suplementar em 2013, um conjunto mais extenso de dados que contribuem para a identificação dos principais aspectos relacionados ao seu acesso nos domicílios e ao uso individual pelas pessoas, como: a utilização da Internet, a posse de telefone móvel celular para uso pessoal e o acesso ao sinal digital de televisão aberta.

mapa-internet

 

A PNAD 2013 constatou que 49,4% da população brasileira de dez anos ou mais de idade tinha se conectado à Internet, Ou seja, 85,6 milhões de pessoas de dez anos ou mais utilizaram a Internet através de diversos equipamentos (microcomputador telefone móvel celular, tablet e outros) pelo menos uma vez, nos três meses que antecederam à data de referência da pesquisa. O microcomputador foi o principal meio de acesso à Internet nos domicílios (88,4%), contra 53,6% via telefone móvel celular e 17,2% por tablet.

 

A análise percentual por sexo mostrou que, no conjunto do País, não havia diferença significativa entre os percentuais de homens (49,3%) e mulheres (49,5%) que utilizavam Internet. Na análise segundo as Grandes Regiões, apenas nas Regiões Sudeste (57,8%) e Sul (54%), a proporção de homens era maior que a de mulheres.

graficosexo-internet

 

A utilização da Internet, segundo os grupos de idade e os anos de estudo, era mais frequente entre os jovens de 15 a 19 anos (75,%) e crescia com a escolaridade, variando de 5,4%, na população sem instrução ou com menos de um ano de estudo, até 89,8%, entre as pessoas com 15 anos ou mais de estudo. Cabe ressaltar que em todos os grupos compreendidos entre 10 a 39 anos de idade, o uso da Internet ultrapassa os 50%, Os menores percentuais foram registrados entre as aqueles com idade acima de 50 anos. A proporção de pessoas que acessavam era crescente conforme a renda, ultrapassando os 50% a partir da classe de um a dois salários mínimos. Em relação aos grupamentos de atividade, as pessoas ocupadas em Outras Atividades (81,9%) e em Educação, saúde e serviços sociais (81,5%0 apresentaram as maiores proporções, enquanto nas atividades Agrícola (11,4%), Serviços domésticos (28,3%) e Construção menos da metade utilizou a Internet.

graficoetaria-internet

 

graficoinstrucao-internet

Essas e outras informações que integram o suplemento Acesso à Internet e à Televisão e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal, da PNAD 2013, realizado em convênio com o Ministério das Comunicações, estão disponíveis para download no portal do IBGE na Internet (http://www.ibge.gov.br), onde podem ser encontrados também, os microdados da pesquisa.

Pesquisas

Percentual dos domicílios por meios de acesso à Internet

A PNAD 2013 constatou que 49,4% da população brasileira de dez anos ou mais de idade tinha se conectado à Internet. Ou seja, 85,6 milhões de pessoas de dez anos ou mais utilizaram a Internet através de diversos equipamentos (microcomputador telefone móvel celular, tablet e outros) pelo menos uma vez, nos três meses que antecederam à data de referência da pesquisa. O microcomputador foi o principal meio de acesso à Internet nos domicílios (88,4%), contra 53,6% via telefone móvel celular e 17,2% por tablet.

Faça download da pesquisa Acesso à internet por domicílios

Percentual de pessoas que utilizaram a Internet por sexo

A análise percentual por sexo mostrou que, no conjunto do País, não havia diferença significativa entre os percentuais de homens (49,3%) e mulheres (49,5%) que utilizavam Internet. Na análise segundo as Grandes Regiões, apenas nas Regiões Sudeste (57,8%) e Sul (54%), a proporção de homens era maior que a de mulheres.

Faça download da pesquisa Acesso à internet por sexo

Acesso à internet por faixa etária e anos de estudo (%)

A utilização da Internet, segundo os grupos de idade e os anos de estudo, era mais frequente entre os jovens de 15 a 19 anos (75,%) e crescia com a escolaridade, variando de 5,4%, na população sem instrução ou com menos de um ano de estudo, até 89,8%, entre as pessoas com 15 anos ou mais de estudo. Cabe ressaltar que em todos os grupos compreendidos entre 10 a 39 anos de idade, o uso da Internet ultrapassa os 50%, Os menores percentuais foram registrados entre aqueles com idade acima de 50 anos.

Faça download da pesquisa Acesso à internet por faixa etária e anos de estudo

Acesso à internet, segundo as classes de rendimento mensal e os grupamentos de atividades (%)

A proporção de pessoas que utilizavam a Internet cresce conforme aumentam o rendimento. Em relação aos grupamentos de atividade, as pessoas ocupadas em Outras Atividades (81,9%) e em Educação, saúde e serviços sociais (81,5%0 apresentaram as maiores proporções, enquanto nas atividades Agrícola (11,4%), Serviços domésticos (28,3%) e Construção menos da metade utilizou a Internet.

Faça download da pesquisa Acesso à internet por classes de rendimento mensal e grupamentos de atividades